Por: Elisângela Bitencourt

Com a inflação em disparada, no patamar de 8,06% (IPCA) em 12 meses até maio, o Comitê de Política Monetária (Copom) precisou aplicar um remédio de curto prazo na economia. Com isso, decidiu na última quarta-feira (16) elevar a SELIC em 0,75 ponto percentual, para 4,25% ano, na terceira alta seguida de juros.

A decisão do Copom seguiu o que esperava a maior parte dos analistas financeiros, apesar de ter ganhado força nos últimos dias a aposta de que o Banco Central poderia aumentar a intensidade e elevar a Selic em 1 ponto.

Este ajuste parcial dos juros, amargo para o consumidor e interessante para os investidores conservadores, deve continuar até o final do ano, segundo a previsão do mercado. A expectativa é que a Selic encerre 2021 em 6,25%.

Assim, os investimentos conservadores estão voltando a ter rentabilidades atrativas, aumentando sua probabilidade de ganhar da inflação e preservar o poder de compra do investidor. É o caso do Tesouro Selic (LFT), da caderneta de poupança, dos fundos DI e de títulos bancários, como os CDB, LCI e LCA pós-fixados.

A CASSULI continuará acompanhando de perto as informações do mercado financeiro e informando seus stakeholders.

Últimos Insights



A FLEXIBILIZAÇÃO DO VALE-REFEIÇÃO E OS REFLEXOS PARA AS EMPRESAS NO ÂMBITO DO PAT

Por Adilson Luís Bornhausen Em 10 de novembro o Executivo Federal editou o Decreto nº 10.854 que altera uma série de normas trabalhistas, dentre elas, com o intuito de...

Continue lendo

AS “DIRETIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE” E O PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO

Por Francieli da Silva Vasconcelos e Elisangela Bitencourt Nos últimos anos o termo “Diretivas Antecipadas de Vontade” (ou simplesmente “DAV”) tem sido objeto de...

Continue lendo

STF CONSIDERA INCONSTITUCIONAL ICMS COM ALÍQUOTA MAIOR PARA ENERGIA ELÉTRICA E TELECOMUNICAÇÕES

Por André Hinterholz e Rafael Figura O Plenário  do STF concluiu no dia 22 de novembro o julgamento virtual do RE nº 714.139/SC, em que, por oito votos a três,...

Continue lendo