Por Rafaela Bueno.

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), afetou para julgamento, pelo rito dos recursos repetitivos (Tema 1.247), os Recursos Especiais nºs 1.976.618/RJ e 1.995.220/RJ, de relatoria do Ministro Mauro Campbell Marques, cuja discussão se dá em torno da “a possibilidade de se estender o creditamento de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), previsto no art. 11, da Lei nº 9.779/99, também para os produtos finais não tributados (NT) e imunes, disposto no artigo 155, § 3º da CF/88”.

O princípio constitucional da não cumulatividade ganha especial destaque no tocante ao IPI, por trazer discussões como o direito de crédito tributário decorrente da entrada de insumos que serão utilizados em produtos finais beneficiados com alguma forma de exoneração tributária (como isenção, alíquota zero, imunidade ou não tributação).

A temática apresenta-se relevante e com expressivo impacto financeiro, haja vista que a definição da abrangência do dispositivo da lei possui o condão de afetar significativamente a arrecadação tributária da União e o planejamento financeiro das empresas, pois será definido se é possível o aproveitamento dos créditos do IPI incidente nas aquisições de matérias-primas, produtos intermediários e material de embalagem empregados na industrialização de produtos finais não tributados e imunes.

Segundo o relator, por se tratar de controvérsia que envolve interpretação de ato administrativo normativo geral e aplicação de procedimento padronizado adotado pela administração tributária federal, para dar efetividade ao artigo 11, da Lei 9.779/99, está demonstrada a multiplicidade efetiva ou potencial de processos com idêntica questão de direito.

Diante disso, o Colegiado decidiu suspender a tramitação de todos os processos em primeira e segunda instâncias envolvendo a matéria, inclusive no STJ, até que definida a controvérsia no tema.

A Cassuli Advocacia e Consultoria acompanhará de perto os desdobramentos envolvendo o assunto, contando com profissionais capacitados para oferecer o suporte necessário ao tema apresentado.

Últimos Insights



RESPONSABILIDADE CIVIL POR VÍCIOS CONSTRUTIVOS

Por Luciana Rubini Tambosi. A responsabilidade civil por vícios construtivos é um tema de grande relevância no direito imobiliário, na medida em que objetiva garantir a...

Continue lendo

NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA – DIRBI – DECLARAÇÃO DE INCENTIVOS, RENÚNCIAS, BENEFÍCIOS E IMUNIDADES DE NATUREZA TRIBUTÁRIA

Por Robson Thiago Alves da Silva. O governo brasileiro publicou a Instrução Normativa RFB nº 2.186/2024, que estabelece diretrizes para a Declaração de Incentivos,...

Continue lendo

DEPRECIAÇÃO ACELERADA: OPORTUNIDADES E LIMITAÇÕES DA LEI 14.871/2024

Por José Alberto Prates Costa. No último mês, o governo federal publicou a Lei nº 14.871/2024, trazendo novas regras para a depreciação tributária de máquinas,...

Continue lendo