Por Rafaela Bueno.

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais – CARF, por unanimidade de votos, nos autos do Processo nº 16692.720792/2017-88, concluiu que o contribuinte tem direito ao creditamento de PIS e COFINS não cumulativos sobre gastos com caixas de papelão que, no caso, são utilizadas para o transporte de macarrão instantâneo.

No regime não cumulativo, as empresas podem aproveitar créditos das contribuições pagas em etapas anteriores da cadeia produtiva, descontando do PIS e da COFINS o que já foi pago em outras fases.

Tal entendimento se deu em razão da relevância no processo produtivo, já que as caixas de papelão possibilitam o acondicionamento das mercadorias, além de integrarem o produto final para o processo de armazenamento e transporte.

A Conselheira Relatora Jucileia de Souza Lima se manifestou no sentido de que “as glosas devem ser revertidas, pois as embalagens são utilizadas no transporte, sendo que essas têm como objetivo a preservação e acondicionamento dos alimentos”, razão pela qual as “embalagens atendem à condição de essencialidade”.

Além da possibilidade de creditamento de PIS e COFINS sobre caixas de papelão, também foi concedido o direito sobre despesas com aluguel de máquinas e equipamentos, como pallets, esteiras, guindastes, empilhadeiras, armazenagem de insumos para produção, frete na aquisição de insumos não sujeitos às contribuições e com a manutenção de máquinas e equipamentos.

Assim, quando se fala de creditamento de PIS e COFINS sobre insumos, o CARF vem respeitando seus próprios precedentes, bem como o posicionamento firmado pelo STJ no Recurso Especial nº 1.221.170/PR (Tema 779), que fixou o entendimento de que “o conceito de insumo deve ser aferido à luz dos critérios de essencialidade ou relevância, ou seja, considerando-se a imprescindibilidade ou a importância de determinado item – bem ou serviço – para o desenvolvimento da atividade econômica desempenhada pelo Contribuinte”.

A matéria é bastante relevante aos contribuintes, pois conta com jurisprudência majoritária no CARF e no STJ, no sentido de que insumos essenciais ou relevantes à atividade do contribuinte dão direito ao crédito de PIS e COFINS não cumulativos.

A CASSULI ADVOCACIA E CONSULTORIA acompanhará de perto os desdobramentos envolvendo o assunto, contando com profissionais capacitados para oferecer o suporte necessário ao tema apresentado.

Últimos Insights



A IMPORTÂNCIA DA APROVAÇÃO ANUAL DE CONTAS PARA SOCIEDADES EMPRESÁRIAS

Por Isadora Erbs. As sociedades empresárias, por força de lei, são obrigadas a realizar a assembleia dos sócios (art. 1.078 do Código Civil) ou assembleia geral...

Continue lendo

FGTS DIGITAL – ENTENDA AS MUDANÇAS

Por Graziele Cristina Pedro. A implementação do FGTS Digital representa mais um avanço significativo na modernização dos serviços públicos no Brasil. Com a crescente...

Continue lendo

COMPLIANCE AMBIENTAL E ESG: PILARES FUNDAMENTAIS PARA OS NOVOS NEGÓCIOS

Por Rubens Vaz Junior. No cenário empresarial atual, a sustentabilidade e a responsabilidade ambiental emergiram como fatores essenciais para o sucesso a longo prazo das...

Continue lendo