Por Julia Cristina Reinehr.

A inclusão de cláusulas arbitrais nos contratos sociais de empresas é um aspecto crucial para garantir a estabilidade e a eficácia nas relações comerciais. O mecanismo da arbitragem desempenha um papel fundamental na resolução de conflitos, vez que oferece uma alternativa mais célere e flexível em comparação com o sistema judicial convencional. Além de proporcionar um método de resolução de disputas mais ágil, a cláusula arbitral também oferece uma série de outras vantagens para as partes envolvidas.

Primeiramente, a cláusula arbitral garante a confidencialidade do processo na resolução de disputas. Isso é de extrema importância, pois protege informações sensíveis e estratégias comerciais que podem ser prejudiciais se divulgadas publicamente, tal como, via de regra, é o processo judicial. Ainda, a arbitragem permite que as partes escolham os julgadores. Isto é, é conferido às partes selecionar árbitros especializados no assunto em questão, resultando, assim, em decisões mais fundamentadas e justas, já que são baseadas em conhecimentos específicos da área em questão.

A agilidade do processo de arbitragem é outra vantagem muito proveitosa. A resolução de disputas através da arbitragem é notoriamente mais rápida do que o sistema judicial tradicional, o que resulta na economia significativa de tempo e recursos para as empresas envolvidas. A eficiência é valiosa em um ambiente empresarial competitivo e dinâmico, logo, a rapidez na resolução de litígios é fundamental para manter a continuidade das operações e a confiança dos investidores.

Salienta-se, todavia, que a opção pela cláusula arbitral é mais onerosa do que o processo judicial, uma vez que as partes contratantes são responsáveis por arcar com as custas da hora dos árbitros e peritos contratados. Por conta disso, é importante que exista um capital inicial considerável que justifique as custas decorrentes da arbitragem, ou seja, a realidade financeira deve ser cuidadosamente ponderada pelos empresários ao decidirem pela inclusão de cláusulas arbitrais em seus contratos sociais, a fim de garantir uma escolha consciente e alinhada à real capacidade financeira das partes.

É importante ressaltar que a validade da cláusula arbitral, ou cláusula compromissória – como também é reconhecida a convenção pela arbitragem, em contratos sociais é reconhecida por muitas jurisdições. A maioria dos sistemas legais modernos, em todo o mundo, reconhece a escolha das partes para resolver suas disputas por meio da arbitragem, desde que certas salvaguardas legais sejam atendidas. Essas salvaguardas, na maior parte das vezes, dizem respeito à manifestação clara de consentimento das partes, à igualdade de tratamento entre os envolvidos e à possibilidade de recurso ao sistema judicial em casos excepcionais.

Desta forma, a inclusão de cláusulas arbitrais nos contratos empresariais não apenas facilita a resolução de disputas, mas também oferece confidencialidade, especialização, eficiência e reconhecimento legal. Ao adotar essa ferramenta, as empresas podem reduzir potenciais riscos e incertezas, garantindo um ambiente comercial mais estável e propício ao crescimento saudável da sociedade.

A equipe da Cassuli Advocacia e Consultoria é altamente qualificada e comprometida tanto na resolução de casos quanto na busca de alternativas que atendam às necessidades do cliente.

Últimos Insights



DA IMPORTÂNCIA DA DUE DILIGENCE IMOBILIÁRIA NA AQUISIÇÃO OU VENDA DE IMÓVEL

Por Rafaela Bueno. | Publicado em 22/07/2024. A Due Diligence imobiliária é um processo de investigação e análise de dados e documentos que permite obter informações...

Continue lendo

STJ CONTRARIA TRF4 E DESCONSIDERA AFASTAMENTO DAS EMPREGADAS GESTANTES NA PANDEMIA COMO SALÁRIO-MATERNIDADE

Por Eduardo Salvalágio. | Publicado em 19/07/2024. A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que os valores pagos às empregadas gestantes, em virtude...

Continue lendo

MUDANÇAS IMPORTANTES NA REGULAMENTAÇÃO DO EXAME TOXICOLÓGICO PARA MOTORISTAS PROFISSIONAIS A PARTIR DE AGOSTO DE 2024

Por Graziele Cristina Pedro. | Públicado em 17/07/2024 A realização do exame toxicológico foi instituída pela Lei n° 13.103/2015 e está prevista apenas para os...

Continue lendo