Por: Rafael Araldi

Com o decorrer do quarto mês do ano calendário 2021, também está correndo o prazo para realização da AGO (Assembleia Geral Ordinária), nas Sociedades Anônimas, conforme prevê o art. 132 da Lei 6.404/76, bem como corre o prazo para que as Sociedade Limitadas aprovem suas demonstrações financeiras (Art. 1.078 da Lei 10.406/2002).

Devido a obrigatoriedade prevista acima, as sociedades por ações e as limitadas devem realizar, nos quatro meses subsequentes ao término do exercício social, respectivamente, uma Assembleia Geral Ordinária – AGO ou reunião de quotistas, com a finalidade de:

1. tomar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras;
2. deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e a distribuição de dividendos;
3. eleger os administradores e os membros do conselho fiscal, quando for o caso.

Como regra, grande parte dessas sociedades, tem como marco final do exercício social a data de 31 de dezembro de cada ano e dessa forma, as deliberações devem ser tomadas até o dia 30 de abril de cada ano.
Além das deliberações acima, importante ter-se em mente que a companhia pode estar obrigada a publicar suas demonstrações.

O Art. 294, da Lei 6.404/1976 (Lei das S.A.) determina que a sociedade de capital fechado, que tiver menos de 20 (vinte) acionistas, com patrimônio líquido inferior a R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais), e não controladora de grupo de sociedades, poderá dispensar as publicações das demonstrações financeiras desde que sejam, por cópias autenticadas, arquivadas na junta comercial competente juntamente com a AGO que as deliberar.

A Cassuli coloca-se à disposição para auxiliá-los nesses e em outros assuntos correlatos à atividade empresarial.

Últimos Insights



A FLEXIBILIZAÇÃO DO VALE-REFEIÇÃO E OS REFLEXOS PARA AS EMPRESAS NO ÂMBITO DO PAT

Por Adilson Luís Bornhausen Em 10 de novembro o Executivo Federal editou o Decreto nº 10.854 que altera uma série de normas trabalhistas, dentre elas, com o intuito de...

Continue lendo

AS “DIRETIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE” E O PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO

Por Francieli da Silva Vasconcelos e Elisangela Bitencourt Nos últimos anos o termo “Diretivas Antecipadas de Vontade” (ou simplesmente “DAV”) tem sido objeto de...

Continue lendo

STF CONSIDERA INCONSTITUCIONAL ICMS COM ALÍQUOTA MAIOR PARA ENERGIA ELÉTRICA E TELECOMUNICAÇÕES

Por André Hinterholz e Rafael Figura O Plenário  do STF concluiu no dia 22 de novembro o julgamento virtual do RE nº 714.139/SC, em que, por oito votos a três,...

Continue lendo