Por Matheus de Quadros 

Em recente decisão, o Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que não incide IRPJ e CSLL sobre a parcela referente a correção pela SELIC, esta decorrente de valores que foram direcionados aos cofres públicos de forma indevida (indébitos tributários). Este assunto foi objeto de uma decisão de repercussão geral. (Tema 962).

Neste julgamento se consignou que o valor da SELIC não se enquadra no conceito de acréscimo patrimonial, sendo que por consequência lógica, não se amolda ao conceito de receita ou faturamento, o que ensejaria o afastamento, também das contribuições ao PIS e a COFINS.

Assim, justamente por não ser considerado receita ou faturamento, mas mera recomposição patrimonial, o valor da SELIC oriunda de repetição de indébitos, também não pode servir de base para computar o PIS e a COFINS.

Neste sentido, já há decisões judiciais reconhecendo em favor dos contribuintes o direito de suspender a tributação do PIS e da COFINS sobre a parcela desta correção, aplicando por analogia a decisão do Supremo que afastou o IRPJ/CSLL.

A Cassuli Advocacia e Consultoria continuará acompanhando as notícias acerca do tema, compartilhando as informações de maior relevância a seus stakeholders.

Últimos Insights



CONTRATO, ESCRITURA E REGISTROS IMOBILIÁRIOS: UM BREVE PANORAMA

Por Luciana Rubini Tambosi. No universo do mercado imobiliário, a compra e venda de imóveis é uma transação complexa que requer a observância de diversos aspectos...

Continue lendo

ANTEPROJETO DO NOVO CÓDIGO CIVIL EXCLUI CÔNJUGE DO ROL DE HERDEIROS NECESSÁRIOS

Por Amanda Fernandes Hinterholz Foi apresentado ao Senado Federal o Anteprojeto de Reforma do Código Civil contendo todas as alterações propostas pela comissão de...

Continue lendo

EM DECISÃO LIMINAR E COM EFEITOS IMEDIATOS O STF SUSPENDE DESONERAÇÃO DA FOLHA

Por Micaela Day da Silva. No último dia 25, o Supremo Tribunal Federal (STF), atendendo a pedido do Governo Federal na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº...

Continue lendo