Por Matheus de Quadros 

Em recente decisão, o Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que não incide IRPJ e CSLL sobre a parcela referente a correção pela SELIC, esta decorrente de valores que foram direcionados aos cofres públicos de forma indevida (indébitos tributários). Este assunto foi objeto de uma decisão de repercussão geral. (Tema 962).

Neste julgamento se consignou que o valor da SELIC não se enquadra no conceito de acréscimo patrimonial, sendo que por consequência lógica, não se amolda ao conceito de receita ou faturamento, o que ensejaria o afastamento, também das contribuições ao PIS e a COFINS.

Assim, justamente por não ser considerado receita ou faturamento, mas mera recomposição patrimonial, o valor da SELIC oriunda de repetição de indébitos, também não pode servir de base para computar o PIS e a COFINS.

Neste sentido, já há decisões judiciais reconhecendo em favor dos contribuintes o direito de suspender a tributação do PIS e da COFINS sobre a parcela desta correção, aplicando por analogia a decisão do Supremo que afastou o IRPJ/CSLL.

A Cassuli Advocacia e Consultoria continuará acompanhando as notícias acerca do tema, compartilhando as informações de maior relevância a seus stakeholders.

Últimos Insights



IMPORTÂNCIA DA VALIDAÇÃO DAS INFORMAÇÕES ENVIADAS AO FISCO

Por Robson Thiago Alves da Silva Que a receita federal monitora a atividade econômica e financeira dos contribuintes não é novidade, mas você já se perguntou como isso...

Continue lendo

STF JULGA INCONSTITUCIONAL LEIS ESTADUAIS QUE INSTITUEM ITCMD SOBRE HERANÇA NO EXTERIOR

Por Iago Machado Melo O Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD) tem como fato gerador a transmissão de bens e direitos em razão da abertura da sucessão ou...

Continue lendo

ESTADO DE SANTA CATARINA REDUZ O ICMS DO LEITE E DE OUTROS ALIMENTOS

Por Aline Fulik Pereira Na última segunda feira (09), foi publicado no Diário Oficial de Santa Catarina a sanção do Projeto de Lei (PL) 78/2022, convertido na Lei...

Continue lendo