Por Marco Antônio Potter  

O STF, em recente julgamento (Tema 962), reconheceu que não incide IRPJ e CSLL sobre a taxa Selic (juros de mora e correção monetária) recebida pelo contribuinte na repetição de indébito.

Segundo o Ministro Dias Toffoli, os juros, entre eles a Taxa Selic, são danos emergentes, ou seja, representam uma recomposição patrimonial em decorrência do pagamento em atraso na repetição do indébito ou do período em que tais valores ficaram indisponíveis quando estavam depositados.

Concluiu que a incidência de IRPJ e CSLL não teriam respaldo legal, isso pois, ao recompor o patrimônio da pessoa jurídica, o acréscimo patrimonial – fato gerador do IRPJ e da CSLL – não estaria configurado.

Tal decisão foi benéfica aos contribuintes, uma vez que foi possível afastar a tributação do IRPJ e CSLL sobre os valores atinentes à taxa SELIC. Mas, mais do que isso, a decisão judicial ampliou a discussão jurídica, não apenas afastando a tributação da Selic, mas também dos juros moratórios. Isso porque, os juros moratórios também teriam a mesma natureza (“recomposição de um lucro não auferido em razão de um ato ilícito”).

Com base nessa decisão, a qual foi apreciada pelo regime de repercussão geral no STF, e que acaba vinculando todos os integrantes do Poder Judiciário, acredita-se que o entendimento poderá ser estendido para não mais incidir o IRPJ e CSLL sobre os juros moratórios.

A CASSULI ADVOCACIA E CONSULTORIA continuará acompanhando de perto as informações do mundo jurídico e informando seus stakeholders.

Últimos Insights



A FLEXIBILIZAÇÃO DO VALE-REFEIÇÃO E OS REFLEXOS PARA AS EMPRESAS NO ÂMBITO DO PAT

Por Adilson Luís Bornhausen Em 10 de novembro o Executivo Federal editou o Decreto nº 10.854 que altera uma série de normas trabalhistas, dentre elas, com o intuito de...

Continue lendo

AS “DIRETIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE” E O PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO

Por Francieli da Silva Vasconcelos e Elisangela Bitencourt Nos últimos anos o termo “Diretivas Antecipadas de Vontade” (ou simplesmente “DAV”) tem sido objeto de...

Continue lendo

STF CONSIDERA INCONSTITUCIONAL ICMS COM ALÍQUOTA MAIOR PARA ENERGIA ELÉTRICA E TELECOMUNICAÇÕES

Por André Hinterholz e Rafael Figura O Plenário  do STF concluiu no dia 22 de novembro o julgamento virtual do RE nº 714.139/SC, em que, por oito votos a três,...

Continue lendo